logo

1/9
Sommer Pavilion
2018, Concurso. 4º Colocação, Cascais, Portugal
 

O Sommer Pavilion é uma intervenção lúdica. Molhar os pés, brincar com a água, criar novos percursos, são parte dessa arquitetura fluida, que se faz presente através da interação entre as pessoas e a água.

O pavilhão expressa a dialética desse elemento. A escassez de água potável pode torná-la um bem raro e precioso. O excesso de água pode ser uma ameaça em forma de inundações, tempestades e elevação do nível do mar. Na mesma medida em que é imaterial e fluida, é também poderosa e transformadora.  Essa dualidade é representada no Jardim da Parada pela construção de espelhos d’água sobre os caminhos, lembrando a história de Cascais, como as inundações de 1983, e sua estreita relação com o mar.  

O Sommer Pavilion convida a comunidade de Cascais e os participantes dos eventos da Capital Europeia da Juventude a criar novas conexões, percorrer novos caminhos e descobrir novas perspectivas através de uma experiência lúdica. 

O pavilhão provoca a releitura do Jardim da Parada. O que era área transitável,se transformam em riachos, as áreas de gramados viram áreas de permanência. A intervenção faz pensar em como os espaços públicos se configuram e se articulam, e nas possibilidades criadas a partir da reorganização de seus elementos.

A água geometrizada pelo traçado pré-existente subverte a precisão dos fluxos originais. Cria-se uma nova dinâmica na praça. Elementos inesperados e as possibilidades de recreação nos espelhos d’água tornam a experiência inusitada e prazerosa.  O pavilhão cria um lugar onde reflexão e discussão acontecem simultaneamente à diversão e convívio, onde a interação promove a aproximação entre os participantes.