logo
Master Plan - Lago Paranoá
Descrição enviada pela equipe de projeto

 

ORLA LIVRE

O projeto Orla Livre é um processo sustentável de reestruturação ambiental e social da orla do Lago Paranoá, que recupera não somente a integridade e a diversidade ao redor do Lago, mas também o espaço útil de lazer e vida urbana, e promovendo a apropriação das pessoas que utilizam esta nova orla. Investiga novas formas de interação entre a população, natureza, tecnologias e o fator tempo, inerente no processo de implementação do projeto.

 

Orla Livre é um grande impulsor de um processo de transformação de Brasília. A requalificação da orla para uso público, a democratização dos acessos, a criação de novos sistemas de transporte público, resgate de espaços indevidamente ocupados, conectividade de habitat e restauração ecológica de áreas degradadas - todas estas ações são medidas de uma mudança, que tem no foco o lago Paranoá, mas transforma a cidade como um todo, de uma forma sutil e democrática.

 

O projeto Orla Livre visa a resgatar e a recuperar espaços públicos na orla do Lago Paranoá, conciliando o uso da população com o equilíbrio ecológico, concorrendo para um processo de ocupação sustentável do território.

Desta forma tem o foco em três camadas de atuação que se sobrepõem para um cenário sinergético:

 

CAMADA ECOSSISTÊMICA

promove conectividades entre áreas protegidas, através de corredores ecológicos com ações de restauração ambiental e proteção de remanescentes do Cerrado

 

CAMADA TRANSPORTE

criação de uma nova infraestrutura de transporte público intermodal, integrado ao sistema existente e ao projeto Orla Livre

 

CAMADA ATIVIDADES E USOS - criação de um espaço democrático para a população de Brasília, espaço de lazer, recreação, educação e cultura

 

ECOSSISTEMA

O Cerrado é o segundo maior bioma da América do Sul. Do ponto de vista da diversidade biológica, o Cerrado brasileiro é reconhecido como a savana mais rica do mundo, apresentando extrema abundância de espécies endêmicas e abrigando 11.627 espécies de plantas nativas já catalogadas.

Existe uma grande diversidade de habitat, que determinam uma notável alternância de espécies entre diferentes fitofisionomias.

Apesar do reconhecimento de sua importância biológica, de todos os hotspots mundiais, o Cerrado é o que possui a menor porcentagem de áreas sobre proteção integral. O Bioma apresenta 8,2% de seu território legalmente protegido por unidades de conservação; desse total, 2,8% são unidades de conservação de proteção integral.

Em consequência e em função de processos de urbanização e agronegócio, o Cerrado já perdeu 46% de sua vegetação nativa, com previsão de perder mais 34% até 2050. Isso levaria à extinção 1.140 espécies endêmicas.

 

Para evitar a extinção dessas espécies, é necessário ações de restauração ecológica além da preservação de seus remanescentes e áreas protegidas existentes. O Cerrado é composto por um mosaico de fitosionomias , com florestas, mas principalmente com savanas e campos que se caracterizam pela coexistência de gramíneas e espécies arbustivas ee arbóreas.

 

Diretrizes Projetuais

O projeto da Orla Livre do Lago Paranoá visa a sinergia da ocupação dos espaços da orla pela população de Brasília e a preservação da fauna e flora do Cerrado. Insere espaços multifuncionais, cumprindo funções sociais e ao mesmo tempo ecológicas. O objetivo é reintroduzir ou incrementar a biodiversidade urbana, para que seja possível ter seus serviços ecossistêmicos no espaço da cidade.

 

Em ações de ecologia de paisagens, o projeto prevê a criação de corredores ecológicos estruturais com a finalidade de conectar unidades de conservação e áreas de interesse ambiental existentes e viabilizar o fluxo gênico entre elas.

O parque linear ao longo da orla do Lago funciona como corredor ecológico, interligando áreas de proteção e remanescentes de vegetação nativa. Projetado para uso pela população, o parque possui um caráter interativo, aproximando o bioma à população, oferecendo área de lazer, e promovendo educação ambiental e consciência ecológica.

 

No parque é prevista a implantação de centros de pesquisa de biodiversidade, para monitoramento do bioma. Nestes centros terá também criação de mudas para reflorestamento e cultivo das espécies nativas.

 

Considerando a importância do bioma para o equilíbrio hídrico do território, o projeto prevê um paisagismo funcional, que promove drenagem urbana sustentável. As águas pluviais serão encaminhadas para o Lago através de biovaletas que filtram a água naturalmente antes de desaguar no Lago. As biovaletas possuem também um caráter educativo, trazendo para a superfície o potencial das águas pluviais.

Seguindo o mesmo princípio funcional e educativo, são previstas áreas de fitodepuração para as novas edificações da orla, tratando o esgoto com jardins filtrantes e possibilitando a devolução desta água para o Lago.

 

TRANSPORTE

Uma ocupação democrática da Orla do Lago Paranoá necessita de acesso amplo e irrestrito da população.

O projeto sugere 4 diferentes tipos de transporte:

  1. transporte ao redor do lago – VLT

  2. transporte sobre o lago – catamarã

  3. transporte ativo – bicicleta e caminhar a pé

  4. transporte individual – carro (preservar o sistema existente)

Todos os sistemas estão interligados, com pontos nodais em localizações estratégicas para garantir o melhor fluxo possível.

 

Conexões intermodais são localizados em pontos estratégicos da Orla, principalmente em locais de maior densidade de atrativos. Estes pontos conectam os diferentes sistemas de transporte para promover integração e conectividade.

O sistema dos novos meios de transporte público se integra aos diversos meios já implementados e possui intermodais também com estes sistemas. Conecta-se ao metro na Asa Sul, ao ônibus em diversos pontos ao redor do Lago, inclusive BRT, e conecta-se via VLT com o Aeroporto, localizado próximo ao Lago.

 

ATIVIDADES E USOS

O Lago Paranoá apresenta características muito diversificadas ao longo da sua orla, tanto nos fatores demográficos e socioeconômicos da ocupação das áreas próximos ao Lago, quanto na sua infraestrutura de transporte e equipamentos urbanos.

 

É intenção do projeto de qualificar homogeneamente a orla para valorizar o Lago em todas as suas áreas. ‘Acesso para todos’ significa também atrativos para todos, e desta forma é necessário distribuir diferentes qualidades ao redor do Lago.

 

O projeto promove:

- conhecimento do lago Paranoá (mirantes e percursos contínuos)

- conhecimento do bioma do Cerrado (recuperação ecológica, centros de pesquisa e educação ambiental, trilhas, turismo ecológico, sinalização de espécies, observação de animais)

- cultura e educação (museus, centros educacionais, conservatório de música, palcos públicos, equipamentos flutuantes, entre outros)

- lazer e esporte (parques, praias, oferta de diferentes atividades esportivas, marinas, parquinhos infantis, áreas de pesca, entre outros)

- atividades comerciais (circuito gastronômico, lojas, mercado, hotel)

- transporte público (VLT, catamarã, ciclovias, intermodalidade)

 

Equipamentos flutuantes

Para possibilitar a presença de todos os tipos de atividades ao redor do Lago, o projeto acrescenta equipamentos flutuantes, que são capazes de oferecer mais homogeneamente a infraestrutura de usos culturais, educativos, comerciais ou de lazer. A presença temporária de um equipamento como por exemplo cinema ou palco de música ou feira oferece programação cultural para todos locais da orla do Lago, e gera uma agenda cultural da cidade que potencializa a atratividade do próprio equipamento.

Ao redor do Lago são previstos pontos de atraque destes equipamentos, com escadarias até a água, que podem servir de arquibancada ou deck, como área de apoio, interagindo com o equipamento flutuante presente naquele momento.

Estão previstos diversos tipos de equipamentos, como cinema, piscina, deck de lazer, mirante, restaurante, feira, espaço expositivo, palco de teatro ou música, além de equipamentos técnicos, como removedores de lixo.